22 de abril de 2017

{Resenha #172} Como (Quase) Namorei com Robert Pattinson - Carol Sabar | @gabrielaofredi

Título: Como (Quase) Namorei com Robert Pattinson
Autor(a): Carol Sabar | Editora: Jangada
Ano: 2011 | Número de páginas: 464

Sinopse:
"Quando abro os olhos, ali estou eu. Deitada de bruços na areia da praia. E Robert Pattinson está passando óleo bronzeador nas minhas pernas".

Aos 19 anos, Duda é literalmente viciada na saga Crepúsculo. Já perdeu a conta de quantas vezes leu os livros da série e assistiu aos filmes. Através de um perfil secreto na internet, ela se comunica com outras fãs do Crepúsculo que, assim como ela, estão totalmente convencidas de que não há garoto no mundo que valha um dente canino do vampiro Edward Cullen.

Sua obsessão ganha fôlego com uma temporada de estudos em Nova York, onde ela faz planos mirabolantes para conhecer pessoalmente Robert Pattinson, o ator que interpreta o vampiro nos cinemas. Mas, após um incidente com seus únicos (e insubstituíveis!) livros da saga, Duda entra em verdadeiro surto de desespero. Percebe, então, que uma mudança radical em seu comportamento “crepuscólico” é mais do que urgente.

O que ela não esperava era conhecer Miguel Defilippo, seu vizinho na ilha de Manhattan, que é a cara do ator Robert Pattinson! Apaixonante, lindo, rico, misterioso e ambíguo, Miguel acaba se tornando um desejo mais inacessível para Duda do que o próprio astro de Hollywood.

Uma história cheia de humor, aventuras e reviravoltas, para você chorar de rir!


Comecei a leitura morrendo de medo de estar perdendo meu tempo, como aconteceu com o último livro, só que as páginas iam passando e eu tinha cada vez maid certeza de não estava perdendo tempo nenhum! O livro é demais. Eu adorei, mesmo! MESMO!!!!
Claro que nem tudo são flores, algumas particularidades na personalidade da Duda me irritaram um pouco, mas depois percebi que eram coisas necessárias, coisas de fã, fã de verdade verdadeira. E o mistério excessivo que rodeia o Miguel também me tiraram um pouco do sério, mas com certeza sem isso eu não teria ficado tão curiosa e, com toda certeza, não teria gostado tanto.
A escrita foi outro ponto que também me agradou muito porque mesmo o livro tendo como tema a vida amorosa de jovens adultos, ou adolescentes recém saídos das espinhas, não contém muitas gírias e essas bobeiras que muita gente fica falando e repetindo só porque está na moda. Dei muitas e boas gargalhadas com algumas situações e fiquei apreensiva em outras.
Nem preciso contar que amei o final né?!
Leiam!
#GabbiOfredi

19 de abril de 2017

{Resenha #171} Ailla e o Luferino - Rafaella Souza, Cinthia Silva e Airton Junior | @gabrielaofredi

Título: Ailla e o Luferino
Autor(a): Rafaela Souza, Cinthia Silva e Airton Junior

Sinopse:
Ailla é uma menina de 14 anos, que não dorme sem seu bichinho de pelúcia, Duas Cores. A menina o chama assim por ele ter um olho de cada cor.
Tudo está perfeitamente normal na vida dela até seu bichinho começar a sumir de vez em quando e também acontecerem acidentes estranhos envolvendo criaturas mais estranhas ainda. Ailla só não sabia que tudo aquilo estava relacionado a ela.
De uma hora para a outra nossa protagonista descobre que na verdade foi adotada e que seus pais são de outro mundo, e que seu ursinho na verdade é um ser do mesmo mundo de seus pais biológicos. Ele é um Luferino, criado para proteger o bem mais sagrado do mundo de Ailla, porém depois de algumas traições e situações complicadas, o mundo deles caiu em desgraça e foi preciso tirar a garotinha, que na época tinha acabado de nascer, daquele lugar.
Ela então foi trazida para a Terra e com ela veio Ven Hailer, o Luferino, que tinha a missão de proteger a mocinha que tinha seu futuro entrelaçado com o futuro de seu mundo de origem.
Mas o que será que aconteceu até ela saber disso tudo e o que aconteceria depois, vocês só vão saber quando lerem o livro kkk

Acabei de terminar o livro da parceria e devo dizer que não poderia e nem teria como me
arrepender de tal feito. 
Como todo livro teve alguns pontos que não me agradaram, mas nada que fosse muito sério e precisasse de muita atenção.
O tema tratado é realmente instigante e cativante, a descrição dos personagens é boa, a personalidade de cada um também é única (dei muitas risadas com a Naty). O desenrolar da história me deixou um pouquinho confusa, porque acontece tudo muito rápido, não acho que isso seja um ponto negativo, penso que combinou com o enredo que exigia bastante ação da parte dos personagens. A descrição dos lugares e situações também são muito boas.
Só fiquei desapontada por não saber se algo mais romântico vai acontecer entre Ven e Ailla, mas eu espero do fundo do coração que sim rsrs. Acho que vou ter que esperar um próximo livro pra saber.

Nota: 5/5

Leiam!!

15 de abril de 2017

{Resenha #170} Théo e a Maldição das Cores - Anaté Merger | @gabrielaofredi

Título: Théo e a Maldição das Cores
Autora: Anaté Merger
Ano: 2016
Número de páginas: 258



Théo é o príncipe herdeiro do reino de Dracoon e com apenas sete anos foi enviado ao reino vizinho de Azurium, e ao chegar lá sentia-se mal, excluído pela forma como era tratado pelo príncipe Agostim, que era seu mestre.
Em seu reino Théo sempre foi muito bem tratado e amados por todos, não conseguia entender de jeito nenhum porque era vítima de tanta hostilidade vinda de Agostim e dos amigos desse.
Nessa lugar fantástico em cada reino existia uma Pedra da Lei que ditava que todos os cidadãos nascidos em cada local obrigatoriamente teriam que conter as cores de seus reinos nas roupas, na pele, nos olhos e nos cabelos, e nenhuma outra ser seria aceita. Essa era a lei e de acordo com ela, aqueles que não estivessem dentro desses padrões seriam banidos do reino, para viverem de acordo com a própria sorte, mesmo sendo apenas bebês indefesos.
O que Théo não sabia, era que ele não era completamente igual a todos os outros cidadãos de Dracoon e isso incitava certa raiva e inveja no príncipe Agostim, e tudo isso acabou prejudicando muito seu desenvolvimento quanto aos atributos que um príncipe deveria ter.
Quando completou 10 anos, Théo descobriu que precisaria fazer uma viagem, uma visita até uma bruxa que até então ele pensava que só existia em uma lenda, mas para chegar até ela o mocinho precisaria aprender a lidar com seu medo, o medo da rejeição, conhecer a si mesmo e saber qual o verdadeiro tesouro que um homem pode ter.
Acima de tudo nosso querido Théo necessitava aprender a conviver com as diferenças e ensinar ao príncipe Agostim e todos os outros a fazer o mesmo.

Primeiro de tudo preciso falar que o livro me surpreendeu muito, foi completamente diferente do que eu imaginava.
A queriaa autora Anaté Merger soube trabalhar perfeitamente com todos elementos envolvidos na história, tudo é de um encantamento tal que o leitor simplesmente não consegue desgrudar do livro até que tenha chegado ao fim.
A leitura é bem simples e leve, o que é muito apropriado, considerando que o livro é infanto-juvenil, logo o público alvo é um pouco mais novo que o habitual aos livros da mesma autora.

O que mais me fascinou foi a sabedoria que ele teve ao abordar o preconceito racial, afinal o livro todo é baseado no fato de que em cada reino as pessoas não aceitavam pessoas que eram diferentes. E aí todos devem pensar "Ah, mas é por causa da Pedra da Lei!", não meus amigos. Tem algo a mais na história que não coloquei na sinopse pois não quero dar spoiler, que explica exatamente o motivo que levou a criação da Pedra da Lei.
Na minha concepção Théo e a Maldição das Cores pode ajudar e muito a essa nova geração a crescer sem preconceito com o amiguinho que é diferente. E não estou falando somente da cor da pele.
Avalio o tempo que passei lendo essa história como um investimento descomunal para o meu intelecto.
Leiam!!!

Nota: 5/5

12 de abril de 2017

{Resenha #169} Cartas Para Um Pai - Janaina Rico | @gabrielaofredi

Título: Cartas Para Um Pai

Autora: Janaina Rico
Editora: Qualis
Ano: 2016
Número de páginas: 210

Sinopse:
Juliana, uma jovem de 23 anos, recém contratada por uma empresa, cursando o último período da faculdade, finalmente, consegue realizar seu sonho de tirar férias em um lugar com lindas praias, João Pessoa, na Paraíba. Ela só não contava que lá iria conhecer Anderson, um lindo nordestino que a cativou com o jeito fácil e a conquistou com seu sotaque.
E durante seus 30 dias de férias, a mocinha, aproveita seu curto romance enquanto e o máximo que pode. Sendo que ela só percebe que o romance ficará muito mais tempo na memória dela do que imaginava quando descobre que está grávida e desse em momento em diante precisa tomar decisões que poderão mudar sua vida para sempre.

Antes de tudo preciso dizer que o livro me surpreendeu bastante, por ser um relato tão minimamente detalhado sobre uma gravidez. Quando as pessoas param para pensar em uma gestação, geralmente, os pensamentos e comentários recorrentes são basicamente sobre a dor do parto e o gasto que o bebê trará. É um "erro" quase que da sociedade em seu total, esquecer de pensar nos pequenos detalhes que fazem parte da gravidez, como a rinite, que é um sintoma presente, porém não atribuído pelo povo ao momento vivido pela mulher, entre vários outros.
Também achei legal a autora explorar a insegurança da Juliana, quanto a maternidade e desfazendo assim a ideia de que toda mulher já nasce pronta para ser uma mãe perfeita. Sendo que todos se esquecem que, nenhum ser humano nesse planeta é perfeito, então porque uma mãe, principalmente, uma mãe de primeira viagem e passando por uma gravidez não-planejada, como a protagonista do livro seria? Janaina Rico, trouxe a tona os verdadeiros sentimentos que uma mulher sente ao gerar uma vida dentro de si. Ela mostrou que a mulher sente medo, despreparo, dúvidas e um trilhão de outros sentimentos, que ficam em guerra o tempo todo dentro da cabeça de uma gestante.
O livro, escrito em forma de cartas foi a melhor opção para a autora dar o nível certo de intimidade e sinceridade à história, pois, as cartas, em sua grande maioria, dão essa liberdade. Uma vez que uma pessoa que precisa falar sobre os acontecimentos de sua vida para o outro, costuma se sentir mais a vontade nessa situação.
Não tenho muito o que falar quanto a formatação e tipo de papel do livro, já que fiz a leitura pelo kindle, em apenas, PASMEM, um dia! Sim, li tudo em um dia, porque minha curiosidade estava num nível elevadíssimo. Mas prestei atenção, quanto aos erros e acho que só achei um, que nem era tão grave assim, apenas um erro de digitação, que pode acontecer com qualquer um. E como falei li tudo em dia, pois a escrita é bem fluida e faz o leitor ficar meio viciado, não querendo parar, enquanto o livro não terminar.

E isso foi tudo o que achei da história, meu amores. Se ficaram curiosos (ou mais curiosos) a partir dessa resenha e ainda não tem o livro, basta clicar no botão comprar ali em cima. Lembrando que o livro só está disponível para venda, em formato digital pela Amazon. Logo, você precisar ter um aparelho Kindle ou  app Kindle (disponível para Android e IOS) no seu celular, tablet ou computador.

Espero que tenham gostado da resenha e se você já leu Cartas Para Um Pai, deixe seu comentário aqui embaixo contando sua opinião.
Até a próxima.
Bjinhux.
Gabriela Ofredi

11 de abril de 2017

{Top 10} Ebooks Gratuitos da Amazon 11/04/2017 | @gabrielaofredi


Olá, meus amores! Tudo bem?
Está meio triste porque a semana ainda está no começo e não tem dinheiro para comprar livros novos? Que tal aproveitar as promoções da Amazon e adquirir vários ebooks gratuitos? ISSO MESMO!!
EBOOKS COMPLETAMENTE GRÁTIS!!
Clique para saber mais.

10 de abril de 2017

{Organização} Meu Blog Planner 2017 + Download | @gabrielaofredi



Oi gente venham conferir o meu Planner e o melhor de tudo é que eu mesma confeccionei. E para deixar vocês felizes, cliquem no leia mais para verem uma surpresa.